JUSTIÇA

No Rio, quatro em cada cinco presos da maior facção não voltaram do "Saidão de Natal".
Os presos deixaram a cadeia no dia 24 de dezembro ou ao longo dos dias seguintes e deveriam retornar até o dia 30.

Como era mais que previsível, cerca de 40% dos presos que deixaram a cadeia no Rio na penúltima semana de dezembro para passar o Natal com a família não retornaram às unidades prisionais no prazo estipulado pela Justiça.

Dados obtidos pelo jornal O GLOBO mostram que, dos 1,3 mil detentos que tiveram autorização para passar a festa com familiares, 533 não voltaram até as 22h do último dia 30.

Mas, o número é bem maior, chegando a quase o dobro do índice total, apenas no Instituto Penal Vicente Piragibe, no Complexo de Gericinó, onde estão os presos da maior facção criminosa do Rio.

Segundo o levantamento feito pela Secretaria estadual de Administração Penitenciária (SEAP), 518 detentos da unidade tiveram autorização da Justiça para passar o Natal fora da cadeia.

Desses, 109 retornaram, e outros 409, não. Isso mesmo... De 518 sacripantas soltos apenas cerca de 100 retornaram.

Muitos estão nos 'santuários para membros de facção' que foram transformadas as favelas do Rio, desde que foram proibidas as

Os presos deixaram a cadeia no dia 24 de dezembro ou ao longo dos dias seguintes e deveriam retornar até o dia 30.

Todos esses detentos cumprem pena em regime semiaberto e possuem o benefício chamado Visita Periódica ao Lar (VPL), no qual têm direito a ficar fora do presídio durante sete dias, cinco vezes ao ano, em datas predeterminadas, entre elas o Natal.

O benefício está previsto na Lei de Execução Penal.

Jornal da Cidade OnLine



Fale conosco ou participe do nosso grupo do WhatsApp

Participe do nosso grupo do Telegram




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



JUSTIÇA  |   04/08/2022 22h46





JUSTIÇA  |   02/08/2022 21h45