POLÍCIA

Portariado de deputado de Rondônia é um dos PM's preso pela Draco que segundo G1 ajudava a invadir terras em RO
Através da 6ª fase da Operação Canaã, intitulada de “Samuel”. 10 mandatos de prisão foram cumpridos e segundo investigação, as armas para essa quadrilha eram fornecidas por dois policias militares

Agentes da Polícia Civil tentam prender, nesta quarta-feira (15), integrantes de uma organização criminosa que invade e loteia terras públicas do estado de Rondônia. Segundo investigação, as armas para essa quadrilha eram fornecidas por dois policias militares da região de Ji-Paraná.

São cumpridos 10 mandados de prisão e 6 de busca e apreensão nas cidades de São Francisco do Guaporé (RO) e Porto Velho.

As ordens judiciais estão sendo cumpridas pela 2ª Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (Draco2), através da 6ª fase da Operação Canaã, intitulada de "Samuel".



Segundo investigação, a quadrilha investigada invadiu a Estação Ecológica de Samuel, localizada no município de Candeias do Jamari.

As ações aconteceram em Porto Velho, Ouro Preto D´Oeste e Ji-Paraná.

Loteamento de terra pública

A 6ª etapa da operação Canaã descobriu que os suspeitos tinham a ajuda de um topógrafo para ajudar no loteamento de terras na Estação Ecológica de Samuel.

"O núcleo criminoso promovia a venda dos lotes, coordenava invasão e promovia a manutenção dos compradores no interior da unidade de conservação mediante um código de conduta interno, com um rigoroso controle de acesso por grupo armado"
, diz a Draco.

Ainda conforme a Polícia Civil, a quadrilha era subsidiada pelo fornecimento e comércio ilegal de armas através de dois policiais militares. Esses PMs, além de integrarem a organização criminosa, atuavam na segurança e no recebimento dos lucros.

Ao todo, o grupo criminoso loteou 550 pedaços de terra dentro da Unidade de Conservação em Candeias do Jamari.

Segundo a Draco, parte desses lotes, inclusive, já estava comercializada. As vendas deram cerca de R$ 5 milhões de rendimentos para a organização criminosa.



A 6ª fase da Operação Canaã também descobriu que os criminosos pretendiam invadir e comercializar lotes em outra unidade de conservação ambiental: a reserva extrativista Rio Preto Jacundá e Floresta Nacional do Jacundá.


- G1 / O Guardião.



Fale conosco ou participe do nosso grupo do WhatsApp

Participe do nosso grupo do Telegram




COMENTÁRIOS







VEJA TAMBÉM



POLÍCIA  |   25/06/2022 09h24





POLÍCIA  |   24/06/2022 15h42


POLÍCIA  |   24/06/2022 15h14